Glutamina


Aminoácido não-essencial, sintetizado no tecido muscular, a partir de outros aminoácidos.

           A glutamina é encontrada no músculo, perfazendo
aproximadamente 70 % de todos os aminoácidos livres no organismo, sendo fonte de combustível preferencial para o trato intestinal e leucócitos, além de participar do controle da síntese do glicogênio e degradação protéica. Outros estudos referem-se também ao papel da glutamina na retenção de nitrogênio, desintoxicação da amônia e homeostase do metabolismo de aminoácidos.


            Em algumas condições como trauma e esforço físico extremo, a concentração intracelular e plasmática de Glutamina pode diminuir em até 50%. Assim, quando a demanda é maior que a síntese estabelece-se um quadro de deficiência e, por esta razão, este aminoácido foi recentemente reclassificado como “condicionalmente essencial” (CURI, 2000).

A Glutamina, juntamente com os BCAAs, formam o conjunto de aminoácidos mais abundante no músculo e os mais importantes energeticamente.

            Estudos recentes sugerem maior importância da Glutamina, em comparação à Alanina, no processo Gliconeogênico Hepático em humanos (VAN HALL et al., 1998).  

Funções no organismo:

  • importante para o crescimento e manutenção das células;
  • é utilizada como substrato energético para células de divisão rápida (ex. enterócitos);
  • atua na síntese protéica como um importante doador de nitrogênio;
  • nos rins, participa do controle do equilíbrio ácido-básico como o mais importante substrato para síntese de amônia, além de atuar na síntese de íons Bicarbonato;
  • no fígado, pode servir como substrato gliconeogênico.

;;