HIPISMO

HIPISMO



 
Este esporte passou a fazer parte dos Jogos Olímpicos em Paris 1900. Na ocasião, só a categoria de salto participou do evento. Em 1912, o Concurso Completo de Equitação (CCE) e o adestramento integraram as edições olímpicas. É a única modalidade olímpica em que existe a disputa entre homens (cavaleiros) e mulheres (amazonas).

Na prova de salto, vence quem cometer o menor número de infrações, terminar o percurso mais rápido ou alcançar o maior número de pontos, de acordo com o tipo da competição. É avaliado
a potência, a habilidade e a obediência do cavalo durante salto. Também é julgado a qualidade da equitação do cavaleiro. Entre as falhas que resultam na perda de pontos estão a queda ou desvio de um obstáculo, o recuo antes de dar o salto, ultrapassagem do tempo limite, errar o percurso ou cair do cavalo.

No adestramento, acontecem três avaliações. Em duas delas são realizados movimentos obrigatórios e na última há uma coreografia livre. O controle do cavaleiro é o mais importante dessa prova.

A origem do adestramento passa pelos mongóis, árabes, egípcios e persas, mas com a queda do império grego, houve um grande declínio na arte de montar. Na Idade Média, os cavaleiros exibiam suas habilidades, digladiando-se, com uma equitação voltada para a guerra.

Já o Concurso Completo de Equitação é realizado em três dias. No primeiro, acontece a prova de adestramento, em que os cavaleiros realizam uma série de movimentos obrigatórios. No segundo, há a prova de fundo, que é subdividida em percursos e caminhos com steeplechase e cross-country. E no último dia mede se o cavalo
tem resistência para ultrapassar os obstáculos depois de três dias
de competição.





HIPISMO - REGRAS 1





HIPISMO - REGRAS 2





HIPISMO - REGRAS 3



HIPISMO - REGRAS 4



HIPISMO - REGRAS 5



0 Comments:

Post a Comment